quarta-feira, 6 de fevereiro de 2019

"A Favorita" em análise

A Favorita é o novo filme de Yorgos Lanthimos, que, no geral, é um realizador que gosta de ser original e de arriscar nos seus filmes. Rachel Weisz e Olivia Colman voltam a juntar-se ao cineasta grego, depois de já terem trabalhado juntos em A Lagosta, e a eles junta-se agora Emma Stone. A Favorita é um dos filmes com mais nomeações na corrida aos Óscares deste ano, mas será um dos favoritos do público? 

O filme leva-nos diretamente para a Inglaterra do séc. XVIII e apresenta-nos à rainha Anne e à sua serva/companheira/confidente Sarah. Certo dia, a prima de Sarah, Abigail, chega à corte, em busca de um regresso às suas origens aristocratas. Com o passar do tempo, esta começa a aproximar-se da rainha e a ganhar um maior estatuto e não tarda a tornar-se numa rival para Sarah...


Admito que estava bastante curiosa para ver este filme, em grande parte porque logo pelo trailer pareceu-me ser uma boa sátira. De facto, o filme está repleto de humor negro e é uma verdadeira caricatura da corte inglesa do séc. XVIII. 

Um aspeto que achei bastante curioso foi o facto de o filme ser liderado por três mulheres, que representam precisamente três mulheres que foram capazes de liderar e decidir o rumo das coisas numa altura em que essa seria, em princípio, uma tarefa para os homens. O filme apresenta isto de uma maneira incrível, ridicularizando todos os homens que vão aparecendo, apresentando-os com perucas horríveis e maquilhagens extremamente exageradas. 

Este é um filme que não tem problemas em dar uma sensação de excesso, seja na caracterização, nas ações das personagens ou até mesmo no modo como satiriza. 


A cinematografia do filme é incrível, desde os seus wide-screens aos olhos-de-peixe, e os cenários são bastante minuciosos e parecem gigantes devido ao modo como foram filmados. Por sua vez, a banda sonora ganha também uma presença forte e é estrondosa, arrepiante e sufocante, capaz de causar uma enorme tensão (especialmente nos minutos finais). 

Para mim, o único problema deste filme foi o facto de o plot ser um tanto superficial, ainda que o guião esteja bem escrito e seja divertido de se acompanhar. Devo também dizer que o final fica muito aquém daquilo que podia ser. Dá-nos uma sensação bastante agridoce, porque parece não fazer jus ao resto do filme. 


Por fim, não podia acabar sem dizer que as três atrizes principais estão fantásticas. Rachel Weisz, Emma Stone e Olivia Colman são um motivo suficiente para se ver este filme. 

Agora, apenas para retomar o facto de este filme ser um dos candidatos aos Óscares em variadas categorias, devo dizer que o mais provável é não vencer em nenhuma ou, na melhor das hipóteses, alguma das atrizes sair-se vitoriosa. De facto, o filme é interessante e agradável, mas não penso que seja um dos possíveis vencedores da noite…
7/10
SOBRE A AUTORA

Estudante de Cultura e Comunicação, com uma grande admiração pela sétima arte. Vejo filmes desde criança e sempre tive um gosto especial pelas animações e grandes clássicos. A criação deste espaço foi a solução para ligar este meu interesse à escrita, da qual também tanto gosto!

5 comentários:

  1. Que pena o final não fazer justiça ao restante filme :/
    Ainda assim, acho que o vou acrescentar à minha lista!

    ResponderEliminar
  2. Mais um que não conhecia! Fiquei curiosa, principalmente pelas 3 mulheres

    ResponderEliminar
  3. Ainda não vi nenhum dos nomeados, tenho mesmo de o fazer!

    ResponderEliminar
  4. Ainda não vi o filme.
    Também não acho provável que um filme de "época" ganhe o Óscar.

    ResponderEliminar
  5. Apesar de um elenco de luxo, não me parece que seja o meu tipo de filme, não sei se iria gostar, ultimamente não tenho tido sorte com filmes de época, acabou por acha-los densos, massudos, aborrecidos... 🤷🏻‍♂️

    MRS. MARGOT

    ResponderEliminar