quarta-feira, 20 de fevereiro de 2019

"A Fuga das Galinhas" a rebobinar

Já aqui falámos dos Estúdios Aardman, devido à exposição que está a decorrer no Museu da Marioneta. Então, porque não estrearmos a nossa rubrica “Rebobinar” (que pretende revisitar algumas obras mais antigas) precisamente com um filme desses estúdios? 

Lá fomos nós remexer nas cassetes, na esperança de que o leitor VHS ainda funcionasse bem, e decidimos ver… A Fuga das Galinhas! Quem aqui já viu este filme ou, pelo menos, conhece de nome?


Lançado em 2000 e realizado por Peter Lord e Nick Park, A Fuga das Galinhas, apresenta-nos um grupo de galinhas que vivem numa quinta, onde devem colocar um certo número de ovos todos os dias, caso contrário tornam-se numa deliciosa tarte. Ao aperceberem-se de que levam uma vida má, decidem fazer um plano para escapar. Ginger é aquela que se assume como líder e com a chegada do galo Rocky, que supostamente sabe voar, esta pede-lhe que ajude as suas amigas galinhas a aprender a voar. Mas não será tudo assim tão fácil… E a implacável Mrs. Tweedy vai estar sempre atenta!

Este foi o primeiro filme (longa-metragem) dos Estúdios Aardman e tornou-se logo num clássico dos filmes de animação em stop-motion. Claro, é bastante divertido de se ver quando somos crianças. Mas agora, passados alguns anos desde a primeira vez que o vi, tive de o ver com uns novos olhos e percebi que o filme não é tão inocente como eu achava... 


Não é difícil compararmo-nos às galinhas, especialmente quando temos de seguir uma rotina que não é do nosso agrado. O que as galinhas fazem é precisamente isso, seguir uma rotina, até que percebem que não querem mais continuar a ter aquele tipo de vida. Então, decidem fazer um plano para mudar o que está errado. Só que o plano só funciona depois de muito tempo a pensar e a planear, muitas vezes a cometer erros. É quando saímos um pouco da nossa comodidade que conseguimos realmente fazer as coisas. As galinhas bem podiam continuar naquela quinta, a pôr ovos por obrigação para não serem mortas, mas decidiram agir e tentar ser livres de uma rotina aborrecida!

Para além disso, é também curioso pensar que o filme mostra o ponto de vista de um animal, que desde sempre serviu de alimento ao Homem. É um perfeito exemplo a favor dos "direitos dos animais". O galinheiro é apresentado como se fosse uma prisão e mostra como são tratados os animais que, à partida, são destinados a alimentar...


A Fuga das Galinhas é um daqueles filmes que são pensados para pequenos e graúdos, ainda que transmita mensagens diferentes a quem o vê. Juntando uma história divertida (com alguma filosofia pelo meio) a uma animação interessante e inovadora, claro que o resultado só podia ser positivo - motivo pelo qual, quase vinte anos depois do seu lançamento, estamos aqui a falar dele!
SOBRE A AUTORA

Estudante de Cultura e Comunicação, com uma grande admiração pela sétima arte. Vejo filmes desde criança e sempre tive um gosto especial pelas animações e grandes clássicos. A criação deste espaço foi a solução para ligar este meu interesse à escrita, da qual também tanto gosto!

6 comentários:

  1. Fui ver este filme ao cinema e adorei! Tenho noção que, na altura, não compreendi muitas das suas mensagens subliminares, mas diverti-me imenso e comovi-me em certas passagens. Tenho mesmo que o rever *-*

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Quando crescemos, começamos a ver as coisas com outros olhos! Então, vale mesmo a pena rever! 😆

      Eliminar
  2. Que giro, eu via isto quando era miúda (mas acho que era episódios de desenhos animados). Não fazia ideia que havia o filme

    ResponderEliminar
  3. uaalll! adoro esse filme! passando para conhecer o seu espaço. seu blog é uma encanto. tenha um fim de semana fabuloso! beijo grande:)

    ResponderEliminar