sábado, 9 de março de 2019

Quem é a Mulher-Maravilha?

Ainda na onda do Dia da Mulher, hoje trago-vos algumas curiosidades sobre uma personagem que é um verdadeiro ícone do feminismo e da força das mulheres: a Mulher-Maravilha! Então, para quem tiver interesse em conhecê-la melhor, aqui vai um bocadinho da sua história...


A Mulher-Maravilha é uma personagem fictícia criada em 1941 por William Moulton Marston, que de inicio escrevia escondido no pseudónimo Charles Moulton. A heroína foi inspirada em duas mulheres: Elizabeth Holloway Marston, a sua esposa, e Olive Byrne, que vivia com o casal numa relação polígama. Apareceu pela primeira vez na revista All-Star Comics #8 e foi apresentada ao mundo como a Princesa Amazona, mostrando desde cedo a sua relação com as tradições da Grécia Antiga.

A princesa Diana, que vivia em Themyscira - uma ilha só de mulheres longe do resto da Humanidade -, é uma personagem feminista, independente e pacifista que defende a honestidade. Várias características da personagem foram baseadas nos ideais de Moulton. Este homem foi o inventor do polígrafo e isso é representado na nossa personagem através do Laço da Verdade (ou Laço de Héstia), uma corda que impede as pessoas de mentir. Como foi referido, as suas mulheres também foram uma fonte de inspiração. Sabe-se que as braceletes usadas por Diana como forma de defesa (são à prova de bala!) foram inspiradas nas pulseiras que Olive usava diariamente.

A Mulher-Maravilha surgiu numa altura em que as mulheres eram vistas como inferiores aos homens e foi a primeira personagem feminina criada na DC Comics, juntando-se assim ao Cavaleiro das Trevas - o Batman - e ao Homem de Aço - o Super-Homem. Os três tornaram-se numa espécie de "Santíssima Trindade" da Banda Desenhada na América.

Depressa a personagem foi mudando de visual e começou a adaptar-se à mudança dos tempos. Quando foi criada por Moulton, vestia uma saia azul com estrelas brancas e um top vermelho com o seu símbolo, uma águia dourada. Atualmente veste uma armadura e anteriormente vestiu simplesmente umas cuecas e um top, o que fez com que várias pessoas a criticassem por acharem que é constantemente sexualizada. Os homens nas bandas desenhadas aparecem quase sempre com o corpo coberto por fatos, mas o mesmo não acontece com as mulheres, que apresentam sempre roupas muito justas e curtas. Eu apoio o lado que defende que a Mulher-Maravilha não é sexualizada e que representa o Poder das Mulheres, porque até a sua aparência mostra que é uma personagem forte.


Em 1975, a personagem saltou pela primeira vez para a televisão, interpretada por Lynda Carter, e em 2017 foi lançado o filme da Mulher-Maravilha, realizado por Patty Jenkins e com Gal Gadot no papel da protagonista. Rapidamente tornou-se num dos filmes de Super Heróis mais vistos de sempre e foi, no geral, bem aceite pelo público, recebendo críticas muito positivas. Apesar de todo o Feminismo presente, a realizadora soube fazer tudo da melhor maneira, não rebaixando as personagens masculinas - algo que infelizmente acontece frequentemente em alguns filmes que pretendem enaltecer as mulheres. Percebemos que tudo o que é defendido pela Mulher-Maravilha criada por Moulton está presente e a personagem feminina é poderosa e independente, mesmo com a presença do seu par romântico, Steve Trevor - é impossível falar da Mulher-Maravilha e não referir o piloto americano, visto que é através dele que ela abandona a Ilha Paraíso. Acabam por ser duas personagens ligadas mas que valem só por si mesmas, visto que cada um faz aquilo que quer.

Depois deste filme a solo, a Mulher-Maravilha voltou a fazer uma nova aparição no grande ecrã juntamente com a Liga da Justiça, a grande equipa de super heróis da DC Comics. Diana é a única personagem feminina deste grupo, mas já várias bandas desenhadas - das quais posso destacar Um Por Todos - mostraram que é tão ou mais forte que os outros membros. Podemos dizer que a Mulher-Maravilha é quase indestrutível, visto que é descendente dos Deuses.

Mais de setenta e cinco anos depois da sua criação, a Mulher-Maravilha continua a ser uma fonte de inspiração para milhões de pessoas. Por esta razão, já foi escolhida para o cargo de Embaixadora Honorária da ONU, com o objetivo de atingir a igualdade entre homens e mulheres. É mais um ponto para juntar ao seu longo currículo!

Para terminar, e caso tenham ficado curiosos em relação à própria criação da personagem, recomendo o filme Professor Marston & the Wonder Woman, lançado em 2017. Entretanto, não tarda muito para que a personagem regresse aos cinemas, novamente interpretada por Gal Gadot, com Wonder Woman 1984, com data de lançamento marcada para o próximo ano!
SOBRE A AUTORA

Estudante de Cultura e Comunicação, com uma grande admiração pela sétima arte. Vejo filmes desde criança e sempre tive um gosto especial pelas animações e grandes clássicos. A criação deste espaço foi a solução para ligar este meu interesse à escrita, da qual também tanto gosto!

6 comentários:

  1. Ainda não vi o filme com a Gal Gadot, mas está na minha lista! =)
    E não acho que ela seja sexualizada ou então são todos os super-heróis praticamente, porque mesmo os homens estando todos cobertos, os fatos são justos revelando todo o relevo dos seus corpos.

    MRS. MARGOT

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Certamente vais gostar do filme! E concordo plenamente contigo! 😊

      Eliminar
  2. Não conhecia a maior parte da história da Mulher Maravilha, por isso, foi mesmo interessante ler esta publicação! Obrigada pela partilha *-*

    ResponderEliminar
  3. OI JOANA!
    ADOREI SABER TANTO SOBRE ESTA PERSONAGEM QUE ATRAVESSA DÉCADAS SEMPRE TUAL E INTERESSANTE.
    ABRÇS
    https://zilanicelia.blogspot.com/

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Sem dúvida que é uma personagem que se tem adaptado bem à passagem dos anos! Obrigada pela visita! 😄

      Eliminar