sábado, 2 de março de 2019

"Roma" em análise

Estivemos um pouco ausentes ao longo desta semana, mas já estamos de volta com a análise de um dos filmes que melhor se destacou no ano passado. Roma, de Alfonso Cuáron, foi um filme que começou a ser comentado assim que estreou, tornando-se logo bastante popular. Esteve nomeado aos Óscares em diversas categorias e saiu-se vencedor em algumas, mas não na de Melhor Filme. Ainda assim, vale a pena falar sobre este filme!


O realizador já não precisa de apresentações, pois todos já vimos um filme de Cuáron pelo menos uma vez na vida (até realizou Harry Potter e o Prisioneiro de Azkaban) e, diga-se de passagem, que, no geral, os seus filmes não desiludem. E este não é exceção a essa regra. 

O filme leva-nos diretamente para a Cidade do México na década de 1970, onde somos apresentados a Cleo (interpretada por Yalitza Aparicio, que se destacou entre as grandes estrelas, ao ser nomeada para o Óscar de Melhor Atriz), uma empregada indígena que trabalha para uma família branca de classe média.


Ao mesmo tempo que vemos Cleo a fazer as suas responsabilidades domésticas, assistimos a um país em mudança, com revoluções a despertar e a fervilhar por todo o lado, o que mostra que este filme não pretende ser apenas sobre uma empregada, mas também quer mostrar esta época conturbada na História do México. 

Roma é um filme autobiográfico, que conta a história de Cleo, mas também a de Cuáron, o que faz com que sintamos uma certa aproximação e empatia com as personagens. É um filme muito pessoal, mas capaz de ser grandioso.


Algo bastante interessante é o facto de ser a preto e branco, o que nos ajuda a viajar para a altura que a história retrata. Para além disso, o facto de ser apenas em tons de cinza também contribui para enaltecer a sua fotografia e cinematografia. E, já por aí, este é um filme cheio de uma beleza contagiante. 

Cleo é, claro, o centro do filme e é agradável ver a evolução da personagem ao longo da narrativa. É uma pessoa ingénua, que pouco mais faz para além das suas tarefas: limpar, cuidar das crianças… Até que se apaixona e engravida. Então, a vida de Cleo muda um pouco e esta começa a aperceber-se melhor daquilo que a rodeia. Em contraste, temos a sua patroa (interpretada por Marina de Tavira, que também esteve nomeada nos Óscares na categoria de Melhor Atriz Secundária), que é uma mulher mais experiente e atenta. No entanto, mesmo fazendo parte de uma família perfeita, esta começa a ter de enfrentar alguns problemas na sua vida, como o divórcio. É de destaque a união que nasce entre estas duas personagens tão distintas.


Roma pode nem ser o melhor filme de Cuáron, mas não deixa de ser uma obra-prima. O que Alfonso faz neste filme é extraordinário, pois torna-se capaz de contar aspetos da sua vida de uma forma complexa e memorável, sempre com atenção a pequenos pormenores. As personagens são criadas de um modo sincero e delicado, que transmite verdadeiramente o amor que o realizador dedicou a este filme.

We are alone. No matter what they tell you, we women are always alone.
9/10 ⭐ 
SOBRE A AUTORA

Estudante de Cultura e Comunicação, com uma grande admiração pela sétima arte. Vejo filmes desde criança e sempre tive um gosto especial pelas animações. Vi na criação deste espaço o local ideal para ligar este meu interesse à escrita, da qual também tanto gosto.

16 comentários:

  1. Olá, Joana!
    Mais uma ótima postagem sobre o cinema, com a
    indicação que fazes desse filme que te agradou:

    "Cleo é, claro, o centro do filme e é agradável
    ver a evolução da personagem ao longo da narrativa."


    Parabéns e um ótima semana.
    Beijo.
    Pedro

    ResponderEliminar
  2. obrigado, Joana :)

    Quero ver :o deixaste-me mega curioso!

    NEW FASHION POST | WEEKLY TREND: NEON IS THE COLOR
    InstagramFacebook Official PageMiguel Gouveia / Blog Pieces Of Me :D

    ResponderEliminar
  3. Foi dos primeiros filmes candidatos ao Óscar, que vi e gostei bastante.
    Um excelente filme que foge ao estereótipo de Hollywood.

    ResponderEliminar
  4. Ainda não vi o filme! Mas a julgar pela anda sonora, que já tive oportunidade de conhecer, deve estar uma obra de arte!

    Beijinhos
    https://little-cherry-wine.blogspot.com/

    ResponderEliminar
  5. Este ano ainda não vi quase nenhum dos filmes que estavam nomeados, pelo que tenho mesmo de o fazer e tenho lido críticas fantásticas em relação a este :)

    ResponderEliminar
  6. Concordo contigo "Roma" é sem dúvida uma obra prima e eu considero-o um filme extremamente bonito! Tanto a sua história o a própria fotografia.

    ResponderEliminar