sábado, 27 de abril de 2019

"O Dia a Seguir" em análise

À falta de melhores sugestões no que toca a estreias de cinema (para além dos que referimos anteriormente), hoje falamos de um filme que já estreou há duas semanas. O Dia a Seguir, realizado por James Kent e protagonizado por Keira Knightley, Jason Clarke e Alexander Skarsgard, leva-nos diretamente para a Alemanha logo após a Segunda Guerra Mundial e mostra o estado de ruína em que o país se encontrava (especialmente depois de vários bombardeamentos), acrescentando ainda o ódio que os alemães sentiam pelos britânicos e vice-versa, como se percebe desde início através da personagem interpretada por Knightley, que, de um certo modo, responsabiliza os alemães pela morte do seu filho e culpa a guerra pelo afastamento do marido numa fase tão dura na sua vida. 


Logo desde os primeiros minutos entende-se o caminho que o filme pretende seguir. É demasiado previsível e apresenta um plot twist que não tem nada de novo e que já foi visto demasiadas vezes no cinema.

O filme tenta juntar demasiados géneros: drama, romance e é ainda um filme histórico, que, apesar de apresentar momentos que não são muito levados para o grande ecrã, falha bastante na sua concretização, pois o maior foco é o romance que cresce entre as personagens, deixando tudo o resto num plano demasiado secundário. 

As mortes de familiares são constantemente relembradas ao longo da trama e um ponto a favor da narrativa é o modo como estas são acentuadas em todos os planos das salas vazias da casa e no silêncio, como se algo estivesse em falta. Pelo contrário, a ideia de começar de novo – que ganha mais força à medida que nos aproximamos do final – realça-se cada vez que se ouve soar o piano ou sempre que as personagens se encontram. Por vezes, o filme assemelha-se a uma bela poesia e é, então, uma pena que noutros momentos não haja um esforço para o tornar diferente e belo, mais poético. 


Apesar de ser previsível, é de notar que tem grandes prestações por parte dos atores protagonistas – Keira Knightley, Jason Clarke e Alexander Skarsgard -, que interpretam uma espécie de triângulo amoroso, com uma grande química e entrega aos papéis. No entanto, é de notar que, tendo em conta a sua já longa carreira, esta está muito longe de ser a melhor prestação de Knightley. 

No final do filme sentimos que tudo podia ter sido melhor, caso tivesse havido mais originalidade na construção da narrativa. Alguns momentos parecem demasiado cliché e contribuem para o facto de o final já ser o esperado. Ainda assim, para quem admira o trabalho de qualquer um dos protagonistas, vale a pena ver pela riqueza das suas interpretações.

6/10 ⭐
SOBRE A AUTORA

Estudante de Cultura e Comunicação, com uma grande admiração pela sétima arte. Vejo filmes desde criança e sempre tive um gosto especial pelas animações e grandes clássicos. A criação deste espaço foi a solução para ligar este meu interesse à escrita, da qual também tanto gosto!

12 comentários:

  1. É sempre um desconsolo quando os filmes, aparentemente, tinham tudo para vingar e depois se tornam previsíveis e percebemos que há muitos aspetos a merecer uma atenção mais cuidada.
    Adoro o trabalho da Keira Knightley *-*

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Eu também gosto muito do trabalho dela. É uma das minhas atrizes favoritas!

      Eliminar
  2. Lindo!, adoraria ver.
    Bjs e que vc tenha um ótimo dia.

    ResponderEliminar
  3. Oie, tudo bem?
    Não conhecia o filme e nem sabia que estava em cartaz. De modo geral, gosto da Keira e achei o elenco bem bom. Se puder, vou conferir!
    Beijos,

    Priih
    Infinitas Vidas

    ResponderEliminar
  4. Oie Joana =)

    Não conhecia o filme, mas como adoro histórias que se passam durante ou no pós-guerra e ainda mais com a atuação da maravilhosa Keira, já estou bem curiosa para conferir.

    Beijos e uma linda semana para você.;***
    Ariane Reis | Blog My Dear Library.


    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Vale a pena ver pelas representações dos protagonistas. Infelizmente, a história podia ser muito melhor!

      Eliminar
  5. Não conhecia o filme. A premissa faz com que esperemos algo bastante bom, realmente. Pena que não tenha sido tão bem concretizado, como expressas na tua opinião.
    Pelo elenco, talvez dê uma oportunidade ao filme 😊

    ResponderEliminar
  6. oh caraças!!!! OMG o Alexander Skarsgard entra? O meu estado de fangirl de true blood foi ativado :O

    ResponderEliminar