quarta-feira, 22 de maio de 2019

"Aladdin" (1992) a rebobinar

Hoje viajamos no tempo até 1992, ano em que foi lançado um dos grandes clássicos da Disney, Aladdin. O filme transporta-nos para a cidade de Agrabah, onde somos apresentados a Aladdin, um rapaz pobre que, juntamente com o seu companheiro macaco Abu, rouba comida e não só. Mas, certo dia, o rapaz conhece a princesa Jasmine, só que esta é alvo dos esquemas manhosos de Jafar, um homem maldoso que quer chegar ao Poder e é capaz de tudo para atingir esse objetivo. A partir daí, Aladdin tenta conquistar e salvar Jasmine, mas para isso contará com a ajuda de um Génio que encontrou depois de esfregar uma lâmpada mágica numa caverna. 


A história vai inspirar-se num conto de origem árabe que faz parte da famosa obra As Mil e Uma Noites. Assim sendo, é claro o ambiente inspirado no Oriente ao longo do filme, levando-nos para o meio de uma cultura que é muito diferente da nossa. Tirando este aspeto, o filme, assim como os outros da Disney desta altura, foca-se no romance entre os dois protagonistas, mantendo uma narrativa simples, mas criativa o suficiente para nos encantar e meter a nossa imaginação a trabalhar. 

Existem momentos realmente especiais, que se mantêm na memória de muita gente ao longo de todos estes anos que passaram desde o lançamento do filme. Temos, por exemplo, claro, o fantástico momento musical de “A Whole New World” (ou “Um Mundo Ideal”, na versão nacional) – vencedora de um Óscar de Melhor Canção Original em 1993 -, no qual vemos Aladdin a levar Jasmine num passeio pelo mundo em cima do tapete voador. E depois temos também momentos encantadores e emotivos como o da libertação do Génio depois de Aladdin pedir o seu terceiro desejo. 


Este é um dos poucos filmes da Disney que é capaz de explorar diferentes realidades e fá-lo de uma maneira inteligente ao apresentar duas personagens totalmente distintas. Se por um lado temos Jasmine, que é a princesa que vive enclausurada num palácio onde não pode fazer as suas próprias escolhas, por outro temos Aladdin, o perfeito oposto, um rapaz que é pobre, que precisa de roubar para viver, mas que é livre. E o curioso é que ambos vivem infelizes e querem ter a vida oposta à que têm. 

Pelo facto de retratar uma cultura e uma etnia diferente, este filme tem vindo a receber duras críticas relacionadas com a princesa Jasmine, que, de acordo com muitos, é a princesa mais sexualizada da Disney. Não podia perder esta oportunidade para discordar dessa observação. Quem viu o filme sabe que Jasmine está muito para além de ser apenas a “princesa de umbigo à mostra”. É uma mulher objetiva, que sabe o que quer e que não quer ser controlada por outros. Eu diria mesmo que é uma das princesas mais inteligentes da Disney; aprende rápido, como ela mesma diz, sendo que, mesmo tendo sido criada no palácio, rapidamente seria capaz de se habituar a outro ambiente. 


Admito que este não é o meu filme favorito da Disney, talvez porque quando era pequena este não constava na minha longa lista de VHS, motivo pelo qual o vi poucas vezes (ao contrário de outros). Ainda assim, sei que é um filme marcante, cheio de cor e com personagens muito carismáticas, desde o par romântico protagonista até ao vilão Jafar. E depois tem também algo que acho bastante curioso que são várias referências a outros filmes da companhia que são apresentadas de um modo subtil – temos o Pinóquio, o Sebastião d'A Pequena Sereia e um boné com o Pateta! 

Agora que estamos em véspera do lançamento do remake em live-action, penso que é a altura ideal para rever este clássico, até porque o novo tem muitos momentos inspirados nele. Em breve cá teremos a crítica do remake!
SOBRE A AUTORA

Estudante de Cultura e Comunicação, com uma grande admiração pela sétima arte. Vejo filmes desde criança e sempre tive um gosto especial pelas animações. Vi na criação deste espaço o local ideal para ligar este meu interesse à escrita, da qual também tanto gosto.

8 comentários:

  1. Há já muitos anos que vi o filme, mas agora gostava de ver o novo no cinema! :)
    --
    O diário da Inês | Facebook | Instagram

    ResponderEliminar
  2. É um dos meus filmes da Disney favoritos. Tenho que o rever *-*

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Eu também estive a rever agora, antes de escrever este artigo! 😜

      Eliminar
  3. Oi Joana, tudo bem?
    Nunca fui muito fã de Aladdin, nem quando criança, mas admiro demais a Jasmine. Ela é forte e muito determinada!
    Beijos,

    Priih
    Infinitas Vidas

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Sem dúvida! É uma princesa muito distinta das outras da Disney!

      Eliminar
  4. Eu e as minhas amigas fazíamos Karaoke da musica " Um Mundo Ideal ", e até hoje sei de cor :-)

    ResponderEliminar