domingo, 12 de maio de 2019

"Extremamente Perverso, Escandalosamente Cruel e Vil" em análise

Extremamente Perverso, Escandalosamente Cruel e Vil é um filme realizado por Joe Berlinger que explora a vida de Ted Bundy, um dos mais famosos assassinos em série, responsável pela morte de mais de trinta mulheres e acusado de necrofilia. 


Interpretado por Zac Efron, Ted é, à partida, um homem atraente, irresistível e carinhoso, o que leva Liz, interpretada por Lily Collins, a apaixonar-se por ele. Ambos vivem um longo amor, pelo menos até ao dia em que Ted é acusado de ter assassinado várias mulheres. 

Sendo baseado num caso verídico, talvez a principal ideia que temos deste filme é que vai expor os crimes de Bundy. Nesse aspeto, a trama limita-se a arranhar a superfície. Ou seja, o que o filme pretende mostrar não é o que Ted fez, mas sim o modo como este era capaz de ser persuasivo, ao ponto de ter sido capaz de enganar tanta gente, nomeadamente as mulheres que matou. Pareceu-me que esse objetivo foi cumprido, no entanto temos momentos que parecem prolongar-se por demasiado, tornando a narrativa lenta, apenas para depois termos momentos importantes a serem demasiado apressados, como é o caso das cenas dos julgamentos. 

Nota-se que houve um certo cuidado a prestar atenção a pequenos pormenores, que, por muito simples que sejam, merecem destaque. No início do filme, por exemplo, começamos com uma sequência fortemente acompanhada por uma música cuja letra se torna numa pista para o que vai acontecer e para o lado irresistível do protagonista - “if you believe in magic, come along with me”. Noutro momento temos também uma associação interessante, quando Liz e Ted vão a um canil à procura de um cão e ela encontra um rottweiler e afirma que ele parece ser muito querido, ainda que seja considerado uma das raças mais perigosas – tal como Ted, que também parece querido e afinal é um monstro. 


O final do filme foi bem construído, atingindo o clímax quando Liz cai na realidade de que Ted pode ter realmente cometido todos os crimes dos quais é acusado. Nessa sequência temos grandes planos que mostram o bom desempenho por parte dos protagonistas. 

Ainda que muitas pessoas possam vir a achar que o filme devia aprofundar mais a história (talvez algumas pessoas queiram mesmo ver as cenas de Ted a matar as mulheres a serem adaptadas no cinema), penso que o filme foi capaz de cumprir o seu propósito. No geral, é agradável de se ver e apresenta uma narrativa bem construída e personagens bem interpretadas.

7/10
SOBRE A AUTORA

Estudante de Cultura e Comunicação, com uma grande admiração pela sétima arte. Vejo filmes desde criança e sempre tive um gosto especial pelas animações. Vi na criação deste espaço o local ideal para ligar este meu interesse à escrita, da qual também tanto gosto.

10 comentários:

  1. Não tinha conhecimento deste filme, mas fiquei bastante curiosa, principalmente, por se focar mais no modo como Ted era persuasivo e não naquilo que fez. Acho interessante aprofundarem a técnica, se é que é possível designar assim, e não se concentrarem somente no final da sua jogada.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Concordo contigo! Também achei interessante, até porque já existe muito material relacionado com os seus crimes, mas pouco sobre o modo como ele os cometeu ou sobre a sua personalidade...

      Eliminar
  2. Fiquei curiosa! Não conhecia :)

    https://joanam-freitas.blogspot.com/

    ResponderEliminar
  3. Não vi o filme, mas gostei de ler a sua sinopse.
    Uma boa semana.
    Um beijo.

    ResponderEliminar
  4. Não sabia da existência deste filme.
    Fiquei curiosa, principalmente em ver Efron na pele de um serial killer.

    ResponderEliminar
  5. Vi este filme há uns dias e opá adorei. Acho que foi mesmo boa ideia terem colocado o Zack como o Ted, porque como é um ator com o qual muita gente simpatiza, automaticamente gostamos do Ted e na realidade era isso que acontecia. Gostei mesmo e estou a pensar ver o documentário, só sou um pouco medricas, porque não quero ver nenhuma das vítimas.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Tens razão, é uma excelente observação! Eu por acaso também ainda não vi o documentário, mas acho que vou deixar passar...

      Eliminar