segunda-feira, 29 de julho de 2019

"Um Segredo de Família" em análise

Muitas vezes as famílias separam-se, vai um filho para ali e outro para acolá, e só se voltam a reunir, infelizmente, quando há alguma tragédia. É o que acontece no novo filme de Plabo Trapero, Um Segredo de Família. Somos apresentados a duas irmãs, Eugenia e Mia; enquanto Mia mora com os pais, Eugenia foi morar para longe e apenas regressa a La Quietud, o rancho da família, quando o pai tem um grave AVC. Acontece que rapidamente começa a notar-se em algo estranho a pairar no ar. Parece que, afinal, o nome do rancho é nada mais do que o oposto daquilo que existe no seio desta família. 


Protagonizado por Berénice Béjo e Martina Gusman, que é esposa do próprio realizador e presença assídua nas suas obras, o filme carrega uma intensa carga dramática. Sentimos que a qualquer momento a bolha vai rebentar e isso acentua-se ainda mais com uma banda sonora que por vezes explode completamente, entoando-se a um nível muito alto. 

Ainda que não tenham nenhuma relação familiar, as parecenças das atrizes principais são incríveis, existindo momentos em que a uma primeira vista é quase impossível distingui-las. Isto é muito útil no desenrolar da trama, pois o par de irmãs que interpretam é difícil de entender no que toca à sua relação, que está para além de uma ligação familiar. Há uma aproximação maior derivada da aparência semelhante, que leva a um certo erotismo, uma atração por aquilo que é igual a nós. Não é fácil de entender o que vai na mente de cada uma, mas aos olhos do espectador soa tudo muito estranho, mas capaz de levantar uma certa curiosidade. 


Para além de Berénice e Martina, há ainda outra presença muito forte no filme. Graciela Borges, que interpreta a mãe de ambas. A trama está repleta de mentiras e a personagem de Graciela é quem as melhor sabe contar, trocando-nos as voltas ao ponto de não sabermos mais em quem acreditar, se nela ou no marido que não tem voto na matéria pois encontra-se em coma desde o início. O poder da sua interpretação é imenso, fazendo com que a odiemos e depois até consigamos simpatizar com ela, mas sempre levando a questionar acerca do modo como esta trata as filhas. A química entre o trio de atrizes é deslumbrante e autêntica. 

A cinematografia do filme também não deixa a desejar, mas penso que este é mesmo um daqueles casos em que a história é quem melhor reina. Apresentando um estilo que consegue fazer lembrar uma tragédia grega, Um Segredo de Família leva-nos numa montanha-russa de emoções, que nunca sabemos como vai terminar. Por sua vez, o final torna-se um pouco agridoce, pois parece ser demasiado feliz para tanta confusão que aconteceu anteriormente.

7/10
SOBRE A AUTORA

Estudante de Cultura e Comunicação, com uma grande admiração pela sétima arte. Vejo filmes desde criança e sempre tive um gosto especial pelas animações e grandes clássicos. A criação deste espaço foi a solução para ligar este meu interesse à escrita, da qual também tanto gosto!

2 comentários: