sexta-feira, 2 de agosto de 2019

À conversa com Sissi Martins e Soraia Tavares

Foi durante a antestreia de UglyDolls no sábado passado que, como já referimos no artigo da entrevista a Fernando Fernandes, tivemos a oportunidade de conversar com alguns atores que deram voz às personagens na versão portuguesa do filme. Hoje trazemos as nossas entrevistas a Sissi Martins, que interpreta Moxy, e a Soraia Tavares, que interpreta Mandy. 

Da esquerda para a direita, temos Soraia Tavares, Sissi Martins, Rúben Madureira, Timóteo Santos (NBC) e Fernando Fernandes (FF), as vozes da versão portuguesa do filme UglyDolls

Sissi Martins dá voz à protagonista de Uglydolls, Moxy, que é a líder do grupo. É uma personagem muito curiosa, confiante e com a habilidade incrível de fazer com que os outros se sintam bem com eles mesmos. Ainda assim, tem o sonho de conquistar algo mais na vida, algo para além da sua casa, Ugly Ville: Moxy sonha ser o boneco de uma criança e de dar e receber carinho.

Companhia Cinéfila: Como é dar voz a uma personagem que é uma boneca imperfeita? 

Sissi Martins: É ótimo, é perfeito! É altamente perfeito! Sem dúvida que é muito giro dar voz a uma animação que, a meu ver, tem uma mensagem tão importante. A minha personagem, a Moxy, tem um positivismo incrível e uma força de vontade enorme de seguir os sonhos. Acho que até tenho um bocadinho dela em mim e de mim nela. E claro que é uma diversão, especialmente com um elenco tão fixe e por termos os amigos por perto. 

Companhia Cinéfila: O que foi mais difícil de fazer durante o processo de dobragem? 

Sissi Martins: Foram as músicas. A Kelly Clarkson [que dá voz a Moxy na versão original] é muito aguda! Quero dizer, não foi difícil, mas foi muito desafiante, claro. São músicas feitas para uma Kelly Clarkson, portanto foi uma responsabilidade muito grande! 


Soraia Tavares dá voz a Mandy. Mandy é a mais querida dos Perfect Dolls, mas esforça-se ao máximo para se sair bem no Instituto da Perfeição, de modo a conquistar uma vida incrível ao lado de uma criança. No entanto, ao contrário dos outros Perfect Dolls, esta consegue ver beleza nos Ugly Dolls e por isso decide ajudá-los. Acontece que Mandy também não é completamente perfeita, apenas esconde os seus defeitos e por isso fica agradada com a confiança de Moxy e companhia. 

Companhia Cinéfila: Como é dar voz a uma personagem que à primeira vista é perfeita, mas que quando a conhecemos melhor também tem algo que a torna imperfeita? 

Soraia Tavares: Eu adorei logo o filme pelo que comunicava às crianças, que acho que é bastante importante. E depois apaixonei-me logo por esta personagem, pela questão da imperfeição. Penso que todos nos revemos um bocadinho nela: queremos sempre ocultar os nossos defeitos, mas porque não mostrá-los? Portanto, eu fiquei muito contente! 

Companhia Cinéfila: Este é um filme muito feliz e com muita cor… 

Soraia Tavares: É verdade! E depois eu já sabia que ia estar com estes meus colegas, que eu admiro tanto e sou fã deles. Estava ansiosa por este dia para virmos todos ver o filme. Nós somos muito amigos e fazia todo o sentido, adorei! Acho que as vozes encaixaram todas muito bem! 

Companhia Cinéfila: Então e qual foi o maior desafio de fazer esta dobragem? 

Soraia Tavares: Como eu já faço dobragens há muito tempo, não senti muitas dificuldades técnicas. Eu acho que a dobragem passa sempre por um todo, porque nós gravamos take a take e com cada voz, mas depois temos de passar certas emoções e é mais difícil porque estamos a fazer e a ver tudo take a take. Por isso, quando vamos ver o filme é sempre impressionante ver que as vozes casam tão bem com as características e emoções das personagens. Eu acho que é sempre esse receio: será que está tudo integrado, será que passei bem a mensagem? 


Na conversa com Soraia também houve espaço para falar sobre o remake de O Rei Leão, no qual deu voz a Nala. A atriz admite que foi um grande desafio e que achou que o trabalho ficou extraordinário. “As vozes foram bem escolhidas, apesar de ter havido muitos castings, especialmente para o Simba”.

Para terminar, é de notar que o dia em que fizemos esta entrevista foi na véspera da final do programa A Tua Cara Não me é Estranha da TVI, no qual esta era uma das concorrentes. Apesar do nervosismo, afirmou-nos que estava confiante... E a verdade é que foi a vencedora!
SOBRE A AUTORA

Estudante de Cultura e Comunicação, com uma grande admiração pela sétima arte. Vejo filmes desde criança e sempre tive um gosto especial pelas animações. Vi na criação deste espaço o local ideal para ligar este meu interesse à escrita, da qual também tanto gosto.

4 comentários:

  1. Adorei o texto, ou melhor, a entrevista. É algo direccionado para crianças e daí a dobragem, mas, não retirando, de forma alguma, o valor ás vozes dos cantores/actores portugueses, porque não é disso que se trata, fico feliz, por não termos os sistemas de dobragem para os adultos como outros, designadamente os franceses... gosto muito de ver um filme ou uma série e ter acesso ás vozes originais (com a opção de retirar as legendas).

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Costumo falar sobre esse "problema" das dobragens em filmes de adultos noutros países com um amigo meu que é espanhol. Nota-se bem as consequências nesses países em que os filmes seguem o regime de tradução e dobragem no modo como as pessoas aprendem e falam outros idiomas. Seguindo o caso de Espanha, é de notar que, comparando com Portugal, o número de pessoas capazes de falar Inglês é muito baixo, por exemplo... Agradeço pela excelente observação!

      Eliminar
  2. Mais uma bela conversa! É sempre bom ouvir - ou, neste caso, ler - o ponto de vista dos protagonistas, porque nos permite observar a história com outra propriedade e atenção :)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. É verdade! De um certo modo, foram capazes de me fazer ver o filme com outros olhos...

      Eliminar