segunda-feira, 2 de setembro de 2019

"It" (2017) levou-nos a flutuar

Esta semana chega aos cinemas o segundo capítulo de It, que serve de sequela ao filme lançado em 2017 baseado no livro homónimo do mestre do horror, Stephen King. Andy Muschietti retoma o papel de realizador e também o elenco juvenil regressa novamente para o clube dos losers, o grupo de amigos formado por Bill, Beverly, Richie, Ben, Mike, Eddie e Stanley. Como ainda não vimos o segundo capítulo, pareceu-nos uma boa ideia relembrar aqui o primeiro!


It leva-nos diretamente para Derry, uma cidade fictícia situada no Maine. O problema de Derry é que existe algo que a assombra e também à sua população. Uma Coisa que aparece de vinte e sete em vinte e sete anos e que espalha o caos, levando a desaparecimentos e mortes inexplicáveis. Curiosamente, em 1990 foi lançada uma mini-série, também baseada nesta história. E isto é um facto que é importante de referir, pois tudo foi bem pensado: acontece que o primeiro capítulo de It foi, como já referi, lançado em 2017, precisamente vinte e sete anos depois do lançamento da mini-série! 

No início do filme, somos apresentados a todas as personagens individualmente e conhecemos os seus medos. Só mais tarde começa a aparecer o palhaço Pennywise, uma criatura misteriosa e demoníaca que se alimenta precisamente dos medos das pessoas, sendo que a maioria das suas vítimas são crianças, os seres que talvez melhor sintam o medo. O lado positivo do modo como o enredo é apresentado é que é notável a preocupação em explicar tudo a quem não está familiarizado com a obra literária. 


A trama inicia-se com Georgie, o irmão de Bill, a desaparecer (depois de ser “apanhado” pela Coisa transformada no aterrador palhaço Pennywise) e é dado como morto. Mais tarde, começam a desaparecer cada vez mais crianças na cidade. Então, o grupo de amigos decide ir à procura do culpado de tantos desaparecimentos. Percebem que Pennywise vai sempre para uma casa abandonada, que é o centro de toda a canalização de Derry, e vão até lá, enfrentando todos os seus medos. 

Na altura em que o filme foi lançado, prometia ser bastante assustador, tal como o próprio Stephen King afirmou. Porém, tenho de admitir que estava à espera de realmente ter medo, mas o estilo de Terror utilizado foi mais relativo a causar um impacto momentâneo, como um pequeno susto, e não tanto o estilo de “tirar o sono durante a noite”, que consegue ser melhor praticado no livro, com alguns momentos realmente perturbadores. 

Pegando ainda neste ponto anterior, é de referir que os efeitos sonoros, apesar de serem bons, cortam todo o suspense e tornam as sequências previsíveis, sendo até fácil adivinhar quando o próprio Pennywise vai aparecer, pelo que nem todos as tentativas de jumpscare resultam. 


Parece-me que o filme resulta realmente bem é no modo como conta a história e apresenta as suas personagens, seja no que toca à aparência (a caracterização, digamos) ou por todo o background que é revelado. Relativamente ao próprio Pennywise, a sua aparência é de facto assustadora, especialmente quando está pronto para matar. O seu ar misterioso e sinistro, a rapidez com que age e a maneira como fala conseguem arrepiar um pouco. O pior é que consegue ser assustador e cómico ao mesmo tempo. Por isso, é preciso dar mérito ao ator Bill Skarsgård, que certamente deu o seu melhor para interpretar esta personagem. A título de curiosidade, reparem com muita atenção no olhar dele na parte em que fala com o Georgie. É possível ver que um dos olhos está a olhar para o rapaz, mas o outro está a olhar diretamente para a câmara. A ideia do realizador era dar este efeito na pós-produção, mas Skarsgård disse que era capaz de o fazer com os olhos e assim fez. Terrifying! 

Depois, claro, temos as crianças, que são as personagens principais (interpretados por Jaeden Lieberher, Sophia Lillis, Finn Wolfhard, Jeremy Ray Taylor, Chosen Jacobs, Jack Dylan Grazer e Wyatt Oleff). Um filme destes só consegue resultar se o elenco juvenil tiver capacidade para carregar o pesado cargo do protagonismo. E este elenco é do caraças! Estiveram todos excelentes e bastante credíveis, seja nas cenas em que apenas interpretam um grupo de amigos (que, certamente, já não eram apenas fictícias) ou naquelas em que vão à procura de vingança. Um aplauso para cada um deles. Acredito que neste segundo capítulo vão voltar ainda com mais força, ainda que desta vez o centro das atenções seja um elenco mais adulto que interpretará as mesmas personagens numa fase mais avançada da vida – novamente vinte e sete anos depois. 


Ainda que tenha sofrido algumas alterações, a história de Stephen King consegue continuar a ser arrepiante neste filme, fortemente marcado por grandes interpretações. Admito que lamento que alguns momentos marcantes do livro tenham sido removidos (ou, pelo menos, assim parece-me, tento em conta as pequenas alterações que foram feitas), mas acredito que a história vai continuar a ser bastante coerente agora na sequela, que chega aos cinemas já esta quinta-feira.
SOBRE A AUTORA

Estudante de Cultura e Comunicação, com uma grande admiração pela sétima arte. Vejo filmes desde criança e sempre tive um gosto especial pelas animações. Vi na criação deste espaço o local ideal para ligar este meu interesse à escrita, da qual também tanto gosto.

8 comentários:

  1. Dificilmente verei este filme, mas a tua crítica é sempre um regalo!

    ResponderEliminar
  2. Eu (ainda) não assisti ao filme de 2017, mas pretendo ver assim que possível, gosto de todos os gêneros, inclusive esse tipo de "terror/suspense", mas creio que o novo filme esteja melhor nesse sentido (pelo menos foi o que eu entendi através do que li, mais cenas de terror, etc.). Um abraço.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Acredito que, de facto, o novo filme tenha sequências com maior suspense, pois como li o livro já tenho em mente mais ou menos o que me espera. Isto é, claro, se o filme estiver fiel à obra literária neste novo capítulo!

      Eliminar
  3. Há muito que não vejo filmes de terror, acabo por me assustar demasiado e acho que não vale a pena...
    Fiquei curiosa com esta sequela, mas não sei se vou ganhar coragem para ver, mesmo confiando na tua crítica x)

    MY SUPER SWEET TWENTY

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Quando foi lançado o primeiro filme, o elenco lançou um vídeo muito engraçado que dizia mais ou menos "se tens medo de filmes de terror, vê o nosso filme! E vence o teu medo!". 😛

      Eliminar
  4. Nunca vi confesso, talvez um dia veja.
    Beijinhos
    http://virginiaferreira91.blogspot.com

    ResponderEliminar