segunda-feira, 16 de setembro de 2019

MOTELX: os vencedores da 13ª edição

A 13ª edição do MOTELX chegou este domingo ao fim e, como já é habitual, a sessão de encerramento trouxe o anúncio dos vencedores das várias categorias que o festival apresenta. 


Na competição internacional, foi o sangrento e bruto Why Don’t You Just Die!, de Kirill Sokolov, que venceu em Melhor Longa de Terror. De acordo com as notas do festival, esta foi uma “decisão difícil” que o júri composto por David Gregory, Miguel Gonçalves Mendes e Rita Anjos justificou pela “grande frescura e audácia” do filme, com “múltiplos twists e humor negro”. Esta é a primeira longa-metragem do realizador russo de vinte e nove anos e tem feito muito sucesso em festivais internacionais. O júri atribuiu ainda uma Menção Especial a The Hole in the Ground, do irlandês Lee Cronin, pela “precisão e controlo da atmosfera de suspense” e pelas “interpretações excecionais”. 


Ao longo dos dias em que o terror se instalou no Cinema São Jorge, foi notável que alguns filmes eram mais aguardados que outros. E se há um que desde o momento em que os bilhetes foram colocados à venda esgotou logo a sala foi Midsommar, o novo filme de Ari Aster, que se apresentava aqui em antestreia nacional. Ora, o favoritismo do público foi claramente mostrado e este foi escolhido entre vinte e seis filmes da secção Serviço de Quarto para ser o vencedor do Prémio do Público


Erva Daninha, de Guilherme Daniel, foi a curta-metragem vencedora na categoria de Melhor Curta de Terror Portuguesa. O júri composto por Samuel Úria, Howard David Ingham e Raquel Freire justificou assim esta escolha: “Erva Daninha foi o filme que mais nos surpreendeu; ficámos fascinados e perturbados desde o início. Numa competição muito forte, soube comunicar verdadeiramente uma estranheza sobrenatural, e é um filme que nos dá a sensação de ser única e autenticamente Português”. O júri decidiu ainda atribuir uma Menção Especial a Häuschen – A Herança, de Paulo A. M. Oliveira e Pedro Martins. 

Opinião geral

Esta foi a edição mais concorrida de sempre do MOTELX, com sessões a esgotar diariamente. É surpreendente refletir que, por exemplo, Midsommar esgotou a Sala Manoel de Oliveira em poucas horas (uma sala com mais de 800 lugares). 

O festival tem apostado cada vez mais em garantir uma proximidade entre público e convidados e este ano isso manteve-se, com uma Masterclass no domingo, na qual Ari Aster pôde responder às perguntas dos fãs antes de seguir para uma sessão de autógrafos com uma longa fila. 

A animação no festival foi constante, desde sermos recebidos por um Jason assustador à entrada (até porque esta foi a 13ª edição e pela primeira vez em treze anos apanhou uma sexta-feira 13), a termos o realizador e atores de Mutant Blast também a animar as escadas do São Jorge com o seu TS-504, distribuição de gelados gratuitos… Enfim, o MOTELX é um evento diferente. E mesmo tendo sido caótico nesta edição devido a uma maior adesão, a verdade é que não deixa nunca de ser um espaço maravilhoso de convívio e de partilha de saberes e desta paixão que são os filmes de terror e não só.

Em baixo, podem ver algumas fotografias dos melhores momentos desta edição. Ao longo da próxima semana teremos mais críticas aos filmes em destaque deste ano!






SOBRE A AUTORA

Estudante de Cultura e Comunicação, com uma grande admiração pela sétima arte. Vejo filmes desde criança e sempre tive um gosto especial pelas animações e grandes clássicos. A criação deste espaço foi a solução para ligar este meu interesse à escrita, da qual também tanto gosto!

8 comentários:

  1. É maravilhoso perceber a adesão que existe a este tipo de eventos. Há mesmo uma promoção da arte *-*

    ResponderEliminar
  2. Nunca fui a esse festival, aliás a festivais de cinema só mesmo o Fantasporto! :)
    --
    O diário da Inês | Facebook | Instagram

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. E eu nunca fui ao Fantasporto, mas já ouvi falar muito bem!

      Eliminar
  3. Olá, Joana!
    Sempre que visito o teu simpático blog fico um pouco mais atualizado sobre o cinema. Parabéns!
    Uma ótima semana, minha amiga Joana.
    Um abraço.
    Pedro

    ResponderEliminar