sábado, 28 de dezembro de 2019

"Jumanji: O Nível Seguinte" em análise

Não sei quanto a vocês, mas quando há dois anos fui ver Jumanji - que nem se sabia bem ao certo se era um remake ou uma sequela ou um spin-off de Jumanji (1995) – as minhas expectativas eram muito baixas, até porque, sinceramente, não sou fã do original. Só que quando saí da sala de cinema, senti que me tinha divertido. Acredito que, tal como eu, muitas pessoas não davam nada pelo filme e ficaram surpreendidas, pois agora temos direito a uma sequela, um novo nível. 


Jumanji: O Nível Seguinte traz o regresso da maioria do elenco do filme anterior. Voltamos a ter Dwayne Johnson, Karen Gillian, Kevin Hart e Jack Black a retomar as suas personagens do videojogo e a mostrar novamente que conseguem ser grandes parceiros quando chega a ação. 

Desta vez, o regresso a Jumanji é intencional, depois de Spencer ter sentido necessidade de voltar a ser o Dr. Bravestone. Claro que o seu grupo de amigos, ao perceber que este não seria capaz de se safar sozinho, decide ajudá-lo… Só que nem tudo corre bem. Depois de uma suposta avaria no jogo, estes nem têm a oportunidade de escolher qual personagem querem ser. E, para piorar, Bethany fica de fora e no lugar dela vão o avô de Spencer e o seu antigo companheiro de negócios, com quem estava zangado depois de terem ido à falência. Regressamos a Jumanji, mas o próprio jogo está diferente, com muito mais perigos e novas personagens. 


Curiosamente, neste filme senti mais que estávamos dentro de um jogo do que no anterior. Talvez porque algumas das personagens demoram a perceber o que estão a experimentar e nesse curto espaço de tempo muita coisa acontece. É como quando estamos a jogar pela primeira vez e ainda não sabemos bem como o jogo funciona, mas temos o tempo contado e por isso precisamos de pensar rápido. Neste filme temos mais ação e uma mudança de cenários; deixamos de estar apenas na selva e vamos para o deserto e para a neve, o que faz com que visualmente nunca seja monótono, até porque também temos vários momentos de ação distintos, desde perseguições de macacos e avestruzes a fugas em carros a alta velocidade. Mesmo as personagens que já tinham estado em Jumanji não sabem o que esperar e sentimos o seu receio cada vez que estão inseguros relativamente ao próximo passo. 

O elenco volta a brilhar, especialmente Dwayne Johnson e Kevin Hart, que têm de se adaptar ao facto de serem os avatares de duas personagens mais velhas, interpretadas, fora do jogo, por Danny DeVito e Danny Glover. Ambos tem personalidades muito distintas, que são transmitidas no desempenho de Johnson e Hart, que adaptaram os seus gestos e também modo de falar. É muito cómico! 


O resultado deste Jumanji: O Nível Seguinte vai para além das expectativas. Torna-se num filme entusiasmante, capaz de ser melhor que o anterior pois leva o seu público diretamente com o jogo e consegues torna-lo próximo das personagens. É um filme dinâmico. Nunca sabemos o que esperar e à medida que avança melhora cada vez mais. É divertido e excelente para passar um bom bocado.

7/10
QUEM ESCREVEU ESTE ARTIGO?

Um grilo falante que lê livros, vê filmes e coleciona figuras e outras tralhas. Tenho um grande gosto pelos grandes clássicos e pelas animações. Na minha lista de longa-metragens favoritas estão E Tudo o Vento Levou (1939), Cinema Paradiso (1988), Forrest Gump (1994) e La La Land (2016).

2 comentários:

  1. Confesso que nunca tive grande curiosidade em relação a estes filmes :/

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Que pena, Andreia! Reconheço que assim a uma primeira vista podem não despertar muito o interesse, mas olha que vale a pena. São divertidos! 🙂

      Eliminar