domingo, 12 de janeiro de 2020

Leitura: "O Intruso" de Stephen King

Chega amanhã à plataforma de streaming HBO a mais recente adaptação de uma obra de Stephen King, baseada no bestseller O Intruso, sobre o qual hoje falaremos. Lançado em Maio de 2018, este livro leva-nos para Flint City e apresenta-nos o detetive Ralph Anderson, que procura desvendar um caso depois da morte de uma criança. Terry Maitland, treinador de baseball, é o principal suspeito e, por isso, Anderson manda prendê-lo à frente de toda a comunidade durante um jogo. O problema é que Maitland tem um álibi muito forte: não estava na cidade quando a criança foi morta e há provas disso. No entanto, o ADN encontrado no cadáver coincide com o seu. Como é, então, possível uma pessoa estar em dois lugares tão distantes ao mesmo tempo? 


Penso que este livro pode ser facilmente dividido em duas partes, sendo elas correspondentes à investigação do caso e à sua resolução. A primeira, talvez mais de metade do livro, é repleta de pormenores interessantes, tornando-se numa espécie de policial, nunca caindo no erro de parecer cliché. Tudo é descrito de modo a permitir ao leitor imaginar cada cena de crime ou cada ação do suspeito. Por sua vez, a segunda parte, que vai buscar aspetos sobrenaturais, pareceu-me um pouco apressada, quando comparada com o que a antecedia. A resolução é abrupta, não sendo tão pormenorizada. O “vilão” torna-se menos interessante quando percebemos que não é humano, mesmo que desde início tivéssemos indícios relacionados com a sua carga sobrenatural e com a sua “identidade”. 

Este não é propriamente um livro de terror, como alguns escritos por King. No entanto, as descrições, em alguns momentos, são capazes de causar uma certa repulsa, especialmente quando se fala sobre o assassinato. As descrições são poderosas, ao ponto de alguns meses depois da minha leitura ainda ter vários momentos na minha memória, como se tivesse lido ontem. 

Algo curioso é o modo como, apesar de não existir nenhuma ligação, Stephen King vai buscar personagens já existentes no seu universo. É o caso de Holly Gibney, que já tinha aparecido em Mr. Mercedes, que regressa para ter um papel fundamental na narrativa. Não é necessário ler Mr. Mercedes para a entender, mas sempre desperta a curiosidade para quem não leu, por ser uma personagem tão forte. 

A escrita, como já é habitual no mestre, é fluída, o que faz com que mesmo na primeira parte do livro, acentuada, como já referi, por muitos pormenores e também por tentativas falhadas da resolução do caso, nunca se torne aborrecido lê-lo, até porque este é um daqueles livros que nos deixam sempre com vontade de continuar a leitura, pois há muitas coisas a acontecer ao mesmo tempo. 

Longe de ser uma das melhores obras de Stephen King, é uma que consegue marcar pela diferença por ter uma investigação tão intensa. Lamento apenas que a segunda parte pareça um tanto apressada, mas não deixa de ser uma leitura interessante e inesquecível. 


SOBRE A SÉRIE “THE OUTSIDER” DA HBO

Chega esta segunda-feira à HBO a série The Outsider. Serão lançados, inicialmente, os dois primeiros episódios. Ralph Anderson será interpretado por Ben Mendelsohn e Holly Gibney por Cynthia Erivo.

Sinopse: The Outsider acompanha a jornada do detetive da polícia, Ralph Anderson, enquanto investiga o caso do corpo mutilado de Frankie Peterson, de onze anos, encontrado numa floresta da Georgia. As misteriosas circunstâncias à volta deste crime horrível levam Ralph a pedir ajuda à investigadora privada e nada ortodoxa, Holly Gibney, com habilidades misteriosas que Ralph espera que ajudem a explicar o inexplicável.
SOBRE A AUTORA

Um grilo falante que lê livros, vê filmes e coleciona figuras e outras tralhas. Tenho um grande gosto pelos grandes clássicos e pelas animações. Na minha lista de longa-metragens favoritas estão E Tudo o Vento Levou (1939), Cinema Paradiso (988), Forrest Gump (1994) e La La Land (2016).

2 comentários:

  1. É um autor que me desperta imensa curiosidade, mas ainda não me aventurei na sua obra literária. Apesar disso, tenho alguns títulos na minha lista de desejos, à espera de uma oportunidade.
    Obrigada pela partilha :)

    ResponderEliminar
  2. Na generalidade Stephen King é agradável e fácil de ler.
    Boa semana

    ResponderEliminar