quinta-feira, 2 de janeiro de 2020

Um lugar onde reina o silêncio

Percebemos que o tempo passa a voar quando parece que ainda ontem fomos ao cinema ver um filme e de repente já está a ser lançado o trailer da sequela! É isso que estou a sentir em relação a Um Lugar Silencioso, realizado por John Krasinski e protagonizado pelo mesmo e pela sua mulher, Emily Blunt, em 2018. Lembro-me perfeitamente da experiência que tive a vê-lo e as boas memórias fizeram com que escrevesse este artigo, a propósito do lançamento do trailer de Um Lugar Silencioso – Parte II ontem, para começar este ano de 2020 da melhor maneira!


O primeiro filme é um thriller que nos apresenta uma família que vive em pleno silêncio porque existem criaturas escondidas no meio da floresta que estão sempre prontas para caçar através do som. A premissa é simples: se as personagens não fizerem barulho, a criatura não as mata. Mas este é um filme que acaba por ser de terror e, por isso, felizmente, as personagens fazem alguns barulhos que levam a grandes momentos de tensão, muito bem conseguidos. 

Para quem gosta de terror e, acima de tudo, quer ter uma boa história combinada com alguns momentos de suspense e até mesmo alguns sustos, Um Lugar Silencioso revela ser perfeito. Temos sequências que são mesmo capazes de provocar alguns jumpscares, mas, ao contrário do que acontece em vários filmes do género, a narrativa nunca é posta de lado. Este assusta, mas consegue ser sempre coerente. 


O que torna este filme genial é a maneira como brinca com o som. Parece irónico falar do som num filme em que deveria reinar o silêncio, mas, na verdade, não existem tantos momentos silenciosos como seria de esperar. Alternâncias entre alguma banda sonora e elementos naturais como o rio são capazes de enaltecer o suspense e o mistério do filme, mas o grande destaque vai para o som das frequências dos aparelhos de som de Regan Abbott (interpretada por Millicent Simmonds), a filha do casal protagonista.

Curiosamente, é de referir que Millicent é realmente surda na vida real, o que lhe dá ainda mais credibilidade. Na verdade, o filme torna-se excelente também devido às grandes performances por parte do elenco. Como seria de esperar, Blunt e Krasinski têm uma grande química no grande ecrã, assim como na vida real, mas o elenco juvenil também não fica nada atrás. 


No final, Um Lugar Silencioso consegue provocar-nos várias reações e sentimentos: medo, arrepios, suspense, mas, acima de tudo, presenteia-nos com um final que consegue partir-nos e aquecer-nos o coração ao mesmo tempo. Sem dúvida que este é um daqueles filmes que ficam para a história, nem que seja apenas neste género cinematográfico. Foi um sucesso e a sequela promete. Por enquanto, aqui fica o primeiro trailer!

SOBRE A AUTORA

Um grilo falante que lê livros, vê filmes e coleciona figuras e outras tralhas. Tenho um grande gosto pelos grandes clássicos e pelas animações. Na minha lista de longa-metragens favoritas estão E Tudo o Vento Levou (1939), Cinema Paradiso (988), Forrest Gump (1994) e La La Land (2016).

6 comentários:

  1. Já tenho a edição em steelbook há uns meses, mas ainda não vi o filme... mas depois de ler o artigo fiquei mesmo com vontade de o ver!
    Obrigado e um Bom Ano para vocês.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Vale muito a pena! Certamente vai gostar, João! Um excelente ano novo para si! 😊

      Eliminar
  2. Acredito que seja excelente, mas como não sou muito dada a filmes de terror, acho que vou passar este ahah

    ResponderEliminar
  3. Já está na lista. Mais um grande artigo, beijinhos e votos de um Feliz Ano Novo

    ResponderEliminar