quinta-feira, 19 de março de 2020

"A Vida de Brad" (2017) para o Dia do Pai

Em pleno Dia do Pai, a nossa sugestão para hoje centra-se num filme que chegou aos cinemas em 2017 e que não teve o destaque que merecia. A Vida de Brad, realizado por Mike White (The Good Girl, Escola de Rock), apresenta-nos uma história muito real, com a qual muitos de vocês, leitores, vão, certamente, relacionar-se!


Brad, interpretado por Ben Stiller, é um homem com quase cinquenta anos que está a ter uma crise de meia idade. A sua vida corre bem, é casado com uma mulher fantástica, tem uma boa casa, tem uma empresa sem fins lucrativos e um filho incrível, Troy, interpretado por Austin Abrams, que está prestes a entrar para a faculdade. No entanto, Brad não consegue ser realmente feliz e começa a pensar nos seus antigos colegas – Craig Fisher, Jason Hatfield, Billy Wearsiter – que agora, ao contrário dele, são ricos. 

Durante o filme, seguimos Brad e Troy, enquanto o rapaz visita várias universidades e tenta decidir para qual quer ir, e vamos tendo acesso aos pensamentos de inferioridade de Brad, às suas dúvidas e reflexões. Ficamos a conhecer bem o protagonista através de narrações, de uma forma que tanto é engraçada como dramática ao mesmo tempo. 


Este é um filme muito humano, com situações que podíamos ver no nosso dia-a-dia. Por isso, conseguimos simpatizar com as personagens presentes desde início. A amizade entre este pai e o filho é cativante. Também visualmente é um filme bonito. Eu diria que é perfeito para ver num dia de chuva, e as previsões para amanhã apontam para isso, até porque os ambientes em que é filmado e mesmo as roupas usadas transmitem uma sensação acolhedora. 

Por outro lado, é um filme que certamente não é para toda a gente. Provavelmente, muitas pessoas vão achá-lo aborrecido, precisamente por mostrar apenas um pai às portas da depressão enquanto o filho anda à procura de uma universidade e tenta puxá-lo para cima. É um filme sem ficção, mistérios ou suspense: A Vida de Brad é um filme real. 


Ao falar deste filme, temos obrigatoriamente de destacar a extraordinária performance de Ben Stiller. Bastante credível do primeiro ao último minuto, nesta que pode ser a sua melhor interpretação até agora, pelo menos no que toca a dramas. Mostra que este ator não faz apenas comédias. Também o jovem Austin Abrams (que muitos podem conhecer por ter participado em The Walking Dead) está perfeito no seu papel. Muitas pessoas da sua idade vão identificar-se com ele, pois está numa fase em que ainda não sabe bem o que quer fazer no futuro – todos nós passámos por isso!

No final do filme, apenas sentimos que podíamos ficar mais tempo ali a conhecer aquelas personagens. A acompanhá-las nesta aventura de encontrar uma faculdade e de acreditar em nós mesmos e de perceber tudo o que de bom temos, sem a necessidade de nos compararmos com outras pessoas. É um filme que marca a diferença pela sua simplicidade e este é o principal motivo pelo qual hoje decidimos dar-lhe algum destaque.

Desejamos a todos os pais e filhos um feliz Dia do Pai! 💙
SOBRE A AUTORA

Um grilo falante que lê livros, vê filmes, escreve cartas e coleciona figuras e outras tralhas! No que toca à Sétima Arte, vejo filmes desde criança e sempre tive um gosto especial pelas animações e grandes clássicos.

2 comentários:

  1. Oi, Joana. Já falei desse filme no meu blog, aqui no Brasil recebeu o nome de ''O Estado das Coisas'', faz a gente refletir um pouco sobre nossa vida, a questão do status social, não é? Aquela coisa de achar que a grama do vizinho é sempre mais verde. Gostei bastante do filme.

    Depois de um tempo ausente estou de volta, agora em um novo endereço (www.mundoalternativo.com.br). Abraço!

    ResponderEliminar