quinta-feira, 5 de março de 2020

Destaques da 13ª Festa do Cinema Italiano

Hoje de manhã realizou-se, na Embaixada de Itália, a conferência de imprensa da 13ª Festa do Cinema Italiano, com a presença do diretor do festival, Stefano Savio, e do embaixador Carlo Formosa. Esta edição terá início no dia 1 de Abril e levará filmes e experiências a várias localidades do país, de norte ao sul. 


Ao longo das suas edições, a Festa do Cinema Italiano tem apresentado inúmeros filmes inéditos em Portugal – e também já chegou a outros lados do oceano: ao Brasil, a Angola, Moçambique e, pela primeira vez este ano, a Timor-Leste e Cabo Verde –, vindos diretamente de festivais internacionais como Cannes, Veneza e Berlim, sempre com o intuito de dar a conhecer ao público português o que de melhor o Cinema Italiano tem para oferecer, com uma grande variedade de géneros a serem exibidos dentro e fora de competição. 


Este ano, a sessão de abertura apresenta Pinocchio de Matteo Garrone, considerado “um dos realizadores mais interessantes do novo cinema italiano”, que conta com Roberto Benigni no papel de Gepetto. Este é um filme que pega no clássico infantil e mantém a tonalidade sombria do livro de Carlo Collodi. A propósito desta estreia, o jovem ator de dez anos que interpreta Pinóquio, Federico Lelapi, estará presente na sessão. 


A categoria de filmes em competição é sempre um dos pontos altos em qualquer festival e nesta edição são cinco as obras a competir. Será apresentado Sole, de Carlo Sironi – que relata uma história sobre uma improvável família que se forma com a venda de uma criança; Magari, de Ginevra Elkann – um filme íntimo e surpreendente; 5 è il numero perfetto, no qual Igor Tuveri (um dos mais premiados autores de banda-desenhada do mundo), vai buscar inspiração à sua graphic novel homónima; Nevia, de Nunzia De Stefano – que traz um olhar feminino sobre o submundo criminoso das periferias do sul de Itália; e Butterfly, um documentário de Alessandro Cassigoli e Casey Kauffman, sobre Irma Testa, a primeira boxer italiana a participar nos Jogos Olímpicos. O júri deste ano é constituído por Beatrice Leanza, diretora do MAAT, Leonor Teles e Pilar del Río, presidente da Fundação José Saramago. 


Este ano, para celebrar o centenário do nascimento de uma das figuras mais importantes do Cinema Italiano, a Festa presta homenagem a Federico Fellini, com vários dos seus filmes em retrospetiva nas secções Tutto Fellini – Retrospetiva Integral e Fellini Essencial. Serão recordados Luci del Varietá (1950), La Sceicco Bianco (1952), I Vitelloni (1953), La Strada (1954), Il Bidone (1955), Le Notti di Cabiria (1957), La Dolce Vita (1960), 8 ½ (1963), Giulietta degli Spiriti (1965), Fellini Satyricon (1969), Roma (1972), Amarcord (1973), Il Casanova di Federico Fellini (1976), Prova d’Orchestra (1979), La Città delle Donne (1980), E la Nave Va (1983), Ginger e Fred (1986) e La Voce della Luna (1990). Para além destas obras, serão também apresentados alguns documentários e curta-metragens de outros autores que recordam Fellini, com destaque para Fantastic Mr. Fellini (2020) de Wes Anderson. Estas sessões serão exibidas na Cinemateca Portuguesa – Museu do Cinema durante o mês de Abril e serão acompanhadas pela exposição fotográfica Alter Ego – Federico Fellini e Marcello Mastroianni e uma mesa redonda com a presença de críticos e colaboradores de Fellini, como Gianfranco Angelucci e Lorenzo Codelli. 


Há ainda espaço para apresentar em solo nacional alguns filmes que fizeram sucesso em Itália, como é o caso de Figli, de Giuseppe Bonito, uma comédia sobre as dificuldades que um casal enfrenta depois do nascimento de um bebé; Tolo Tolo, de Checco Zalone, autêntico sucesso de bilheteira em Itália; Odio l’Estate, de Massimo Venier, que junta o trio de comediantes italianos Aldo Baglio, Giacomo Poretti e Giovanni Storti; e La Dea Fortuna, de Ferzan Özpetek, que conta a história de um casal em crise que se vê obrigado a tomar conta do filho da sua melhor amiga. Haverá ainda algumas sessões especiais relacionadas com séries. A segunda temporada de L’Amica Geniale (A Amiga Genial) e a de The New Pope serão apresentadas no festival, assim como ZeroZeroZero.


Outro dos destaques da programação vai para as várias antestreias. Vencedor do Prémio do Júri na última edição do Festival de Veneza, chega agora a Portugal, La mafia non è più quella di una volta (Era uma vez a Máfia), de Franco Maresco, que é acompanhado pela exposição fotográfica Mafia, Passione... Amore, que traz a Lisboa uma das protagonistas, Letizia Battaglia, nome incontornável da fotografia italiana e uma artista reconhecida no mundo pelo seu trabalho único e cru sobre a máfia e os seus crimes. Martin Eden, de Pietro Marcello, Momenti di trascurabile felicità, de Daniele Luchetti, O Homem do Labirinto, de Donato Carrisi, são outros filmes que vão estar no festival em primeira mão. Para terminar, no dia 9 de Abril dá-se a sessão de encerramento com a antestreia de Gli anni più belli (As Coisas que nos Fazem Felizes), no Cinema São Jorge, em Lisboa. 


Em suma, a Festa do Cinema Italiano apresenta uma programação cuidada, com uma especial atenção aos sucessos atuais em Itália e com a presença de convidados distintos e de várias áreas: Valerio Mastandrea, ator de Figli; Federico Lelapi, ator de Pinocchio; Leitiza Battaglia, fotógrafa; Roberto Timperi, fotógrafo; e Valerio Magrelli e Gianfranco Angelucci, para as secções de Fellini. O festival decorre entre 1 de Abril e Maio e vai passar por cidades como Lisboa, Porto, Almada, Cascais, Setúbal, Penafiel, Alverca do Ribatejo, Coimbra, Viseu, Beja, Tomar, Caldas da Rainha e Loulé. A Festa do Cinema Italiano é organizada pela Associação Il Sorpasso, com o apoio da Embaixada de Itália, do Instituto de Cultura de Lisboa, da Câmara Municipal de Lisboa e da EGEAC.
QUEM ESCREVEU ESTE ARTIGO?

Um grilo falante que lê livros, vê filmes e coleciona figuras e outras tralhas. Tenho um grande gosto pelos grandes clássicos e pelas animações. Na minha lista de longa-metragens favoritas estão E Tudo o Vento Levou (1939), Cinema Paradiso (1988), Forrest Gump (1994) e La La Land (2016).

Sem comentários:

Publicar um comentário