domingo, 13 de setembro de 2020

"O Segredo do Refúgio" ("The Rental") em análise

O Segredo do Refúgio (The Rental, no original) é o nome do filme que marca o começo da realização do irmão de James Franco, Dave Franco, conhecido por já ter entrado em inúmeras comédias com vários atores, ou amigos, de Seth Rogen e afins. Parece que não só quer tentar seguir as pisadas do irmão mais velho, como também decidiu seguir uma espécie de trend recente de atores comediantes que começaram do nada a fazer filmes do género de terror, sendo Jordan Peele o melhor exemplo atual.


The Rental segue quatro amigos que decidem ter uma escapatória de fim de semana de maneira a celebrar um negócio bem conseguido entre dois deles, e de maneira a que todos se possam divertir. No entanto, como esperado, coisas começam a acontecer que levarão as amizades e relações a ser questionadas. 

Sim, pela descrição do filme parece que daí sairá algo que já foi visto mais de centenas de vezes no género de terror. E é mesmo isso que se tem... até certo ponto. O filme tem algo um pouco diferente e inesperado, algo um pouco até desconfortante para dizer a verdade, e isso pode deixar o espectador um pouco inquietante durante os últimos momentos do filme. 


Curiosamente, o filme começa quase da mesma maneira que The Invisible Man – com a câmara a apontar para um penhasco rodeado de água – o que me deixa a pensar se foi apenas mera coincidência ou não. No entanto, pareceu filmado de modo competente, não tendo assim nenhuma técnica cinematográfica que seja destacável ou denotada o suficiente para nos fazer dizer “wow”. É o mais base e simples possível, e, tendo em conta o orçamento, não me espanta. Sendo também feito na maior parte num só local, é normal, mas acho que podiam ter dado mais ênfase ao sítio, talvez tornar a casa mais solitária, ou com um mood um pouco mais desconfortável e vazio, com mais personalidade, digamos. E isso faz com que o filme, por vezes, se torne aborrecido, mesmo tendo apenas hora e meia. Acho que aqui podiam ter usado uma banda sonora que ajudasse a completar as cenas, porque sente-se realmente a falta de uma a maior parte do tempo.

As personagens são o mais genéricas que se pode encontrar num filme de terror, sendo que nenhuma delas tem alguma coisa que a leve a destacar-se do que já tinha sido descrito no argumento. Não têm nenhuma qualidade que leve o espectador a pensar que têm todos de viver ou têm de morrer ou seja que consequência for, apenas nos deixam completamente indiferentes para o seu destino consequencial aos seus atos ao longo do filme. Por vezes até parece que é apenas merecido. 


Este às vezes também parece que tenta convocar diálogos muito forçados, que comentem o estado atual do mundo, como falar em racismo e tudo mais. Claro que há razão para tal, mas a maneira como são apresentados faz parecer que foi colocado apenas à última da hora, fazendo sentir completamente a mais. 

The Rental, no fim, acaba por se sentir um pouco como mais um filme descartável do género de terror que ninguém se lembrará daqui a um mês ou assim. Eu não vi o trailer, por isso não posso realmente dizer que era isso que se esperava, mas apenas posso dizer que a revelação final é desconfortante o suficiente ao ponto de nos deixar a questionar o nosso próprio lar. 

5/10

O Segredo do Refúgio vai ser apresentado hoje na cerimónia de encerramento do MOTELX - Festival Internacional de Cinema de Terror de Lisboa às 21:00h no Cinema São Jorge.
QUEM ESCREVEU ESTE ARTIGO?

Apreciador e colecionador de jogos e, principalmente, filmes desde a minha infância, possivelmente tendo começado o louvor de cinéfilo depois de repetir quinhentas vezes a VHS alugada no Videorama do filme Spider-Man (2002) de Sam Raimi.

Sem comentários:

Publicar um comentário