segunda-feira, 1 de fevereiro de 2021

"WandaVision" - Episódio 4 ("We Interrupt this Program") em análise

Se havia uma questão a pairar no ar depois do lançamento dos três primeiros episódios de WandaVision do Disney+ era: até quando é que a série vai continuar a ter este tom cómico, como uma sitcom? À partida, pensou-se que apenas nos episódios finais íamos começar a ter acontecimentos mais diretamente relacionados a Vingadores: Endgame (2019), no entanto, depois do episódio anterior, com o momento final em que Wanda (Elizabeth Olsen) “expulsa” Geraldine (Teyonah Parris) já era de se prever que rapidamente um tom mais sério ia começar a apoderar-se da narrativa. É, então, no seguimento desse mesmo final que nos chega a história do quarto episódio, intitulado “We Interrupt this Program”. Nota: este artigo contém spoilers.


Desta vez, Wanda e Vision (Paul Bettany) deixam de ser o centro das atenções e somos apresentados à verdadeira identidade de Geraldine. Esta é Monica Rambeau, filha da amiga e colega da Capitão Marvel, Maria Rambeau. E este é apenas um dos vários regressos de personagens neste episódio, já que a ela junta-se também Darcy Lewis (interpretada por Kat Dennings) – que anteriormente já tinha aparecido em Thor (2011) e Thor: O Mundo das Trevas (2013) – e Jimmy Woo (Randall Park) – de Homem-Formiga e a Vespa (2018). Estas são três personagens que se “unem” para resolver o mistério de uma cidade cuja população total tinha desaparecido e que se tinha tornado intransponível. No entanto, Monica Rambeau consegue passar essa barreira e, assim, entra no mundo criado por Wanda, que no exterior é incompreensível – pelo menos até ao momento em que Darcy descobre que é tudo criado por Wanda, como se “dois dos Vingadores agora fizessem sitcoms” dos anos 50, 60, 70 e outros anos ainda por descobrir.

Se há algo que me levantou bastantes dúvidas quando vi o Endgame foi o modo como todas as pessoas desaparecidas depois do “ataque” de Thanos tinham voltado à Terra. Sempre imaginei isto como sendo algo extremamente caótico, já que se tinham passado três anos depois do “estalar” quando todos regressaram. Ou seja, os desaparecidos davam-se como perdidos e depois regressam ao mesmo tempo (uma enorme percentagem da população), aos locais onde estavam antes da tragédia. Isto é algo que nunca pensei ver a acontecer na MCU, pois tendo em conta os vários projetos anunciados não me parecia que este momento pudesse aparecer em algum. Felizmente, enganei-me e é precisamente neste episódio de WandaVision que temos um esclarecimento no que toca a esta situação. Monica Rambeau foi uma das pessoas desaparecidas e no início do episódio assistimos ao seu regresso, num hospital sobrelotado. Novamente, somos recordados do tempo em que a população se “evaporou”, com esta a receber a notícia da morte da sua mãe, que já tinha acontecido há três anos. Na minha opinião, toda esta sequência inicial do episódio serviu perfeitamente para nos introduzir uma Monica Rambeau adulta, visto que só a conhecíamos enquanto criança – em Capitão Marvel (2019) –, enquanto estabeleceu uma ligação direta aos acontecimentos que antecederam a derrota de Thanos e também a morte de Vision.


Neste episódio regressamos ao “normal”, sempre com o mundo de Wanda em mente. Pela primeira vez, deixamos de ter o tom vintage da série, assim como também temos a falta das já muito populares televendas. Ainda assim, este é um episódio fundamental, pois explica alguns detalhes dos três anteriores, nomeadamente todos os elementos relacionados com a “vida normal” que iam chegando à realidade de Wanda. Sabemos agora que Wanda está a ser “espiada” e que no exterior há toda uma equipa a tentar compreender quais são os grandes objetivos da Feiticeira Escarlate. Tendo tudo isto em conta, este foi também um episódio em que tivemos poucos minutos de Wanda e Vision, já que estes apenas apareceram em excertos dos episódios anteriores. Neste ponto, é de notar que o novo elenco fez um excelente trabalho no que toca a agarrar as nossas atenções, podendo assim descartar-se os dois protagonistas por algum tempo.

Este episódio veio mudar o rumo da série por completo, dando-lhe um ar muito mais sério, à medida que nos dá explicações importantes e necessárias para entender em que ponto nos podemos situar em relação ao material anterior da MCU. Acredito que ainda vamos voltar a ter alguns episódios ao estilo de sitcoms, mas a partir de agora já sabemos que o exterior está em constante contacto com o mundo de Wanda, de modo a trazê-la de volta para a realidade e evitar todos os problemas que esta pode ainda vir a criar.
QUEM ESCREVEU ESTE ARTIGO?

Um grilo falante que lê livros, vê filmes e coleciona figuras e outras tralhas. Tenho um grande gosto pelos grandes clássicos e pelas animações. Na minha lista de longa-metragens favoritas estão E Tudo o Vento Levou (1939), Cinema Paradiso (1988), Forrest Gump (1994) e La La Land (2016).

Sem comentários:

Enviar um comentário