sábado, 20 de março de 2021

"Animal Crossing: New Horizons" foi lançado há um ano. O que mudou desde aí?

Passou um ano desde a chegada do mais recente lançamento de Animal Crossing, a franquia da Nintendo que nos convida a ter uma vida tranquila, na companhia de vizinhos que são animais. Animal Crossing: New Horizons chegou numa altura em que o coronavírus começava a espalhar-se com maior força, levando-nos a todos a ficar em casa, de portas fechadas, para impedir a sua entrada. Este foi o jogo que nos levou a sair, sem sair realmente. A convite do Tom Nook, fomos levados a explorar ilhas desertas e a criar novas amizades, assim como a celebrar vários eventos e a passar os dias em interação com uma natureza virtual. Passou um ano e quando pensamos em tudo o que aconteceu desde então, é possível que muitos de nós concordem que pouco aconteceu nas nossas vidas. Continuamos em confinamento, como há um ano. A situação parece melhorar, mas sabemos que a cada dia que passa pode inverter-se e regressamos à estaca zero. Uma coisa é certa, e tenho a certeza de que todos os que também jogam este jogo concordarão comigo: o Animal Crossing: New Horizons esteve aqui durante este ano para nos mostrar que a vida não pára e que o tempo continua a passar.


No dia 20 de Março de 2020, vários jogadores ficaram a conhecer pela primeira vez o plano de viagens de Tom Nook (o Deserted Island Getaway Package) que nos leva para uma ilha deserta, juntamente com outros dois villagers (escolhidos de forma aleatória). Já na ilha, somos recebidos por Timmy e Tommy, que nos entregam uma tenda, para começarmos a montagem da nossa futura casa. O primeiro dia no jogo é calmo, passado a conviver com os novos vizinhos à volta de uma lareira. Apenas quando a nossa personagem vai dormir é que começa realmente o tempo real e os dias do jogo passam a partilhar a hora dos nossos dias na vida real. Vários jogadores não aguentam a espera que às vezes é necessária – por exemplo, para conseguir completar as construções mais rápido – e recorrem ao famoso time travelling. No entanto, Animal Crossing: New Horizons, assim como os outros jogos da franquia, convida-nos a relaxar e, por isso, não devemos preocupar-nos em ter as coisas concluídas o mais rápido possível. Devemos, sim, desfrutar de cada momento no jogo, seja a pescar, a plantar, a apanhar insetos, entre tantas outras atividades.

Com o lançamento de Animal Crossing: New Horizons, a Nintendo viu as suas consolas Switch a voltarem a ser vendidas em grandes quantidades. O jogo tornou-se num refúgio em tempos de pandemia e não tardou a ser também ele o primeiro lugar dos tops de vendas internacionais. Acontece que quando somos impedidos de sair, resta-nos encontrar um local para onde ir e os videojogos conseguem assumir essa função. A diferença é que em Animal Crossing: New Horizons somos quem queremos ser e podemos decorar tudo à nossa maneira, mostrando também o nosso lado criativo. É assim que nos mantemos ocupados. É assim que alegramos os nossos dias e é por esse motivo que muitas pessoas (eu incluída) contamos com centenas de horas passadas a jogar este jogo.


Este é um jogo que facilmente podia cair na monotonia, mas a sua quantidade de eventos impede isso. A maioria dos jogadores que começaram a jogar em Março, apanharam logo o peculiar Bunny Day, o evento de Páscoa que traz o bizarro (mas querido) coelho Zipper à ilha para distribuir ovos. De seguida, destaco o May Day, evento do primeiro de Maio que trouxe o regresso do adorável gato Rover e que consistiu em levar-nos para um labirinto do qual tínhamos de sair, sem ter acesso às nossas ferramentas habituais. Já em Junho, chegaram a Reese e o Cyrus para celebrar o aniversário de casamento, com um evento que permitiu aos jogadores criar um cenário festivo na ilha do Harvey (ou será um arquipélago?). No Verão, foi tempo de começar a ter mais dias de procura de insetos e de pesca, com vários torneios, assim como também as noites festivas de Agosto, com fogo de artifício todos os domingos. Chegados a Outubro, o tempo já parecia estar a voar e o evento de Halloween foi arrepiante e dinâmico, com a chegada do Jack e das doçuras ou travessuras. Novembro começou a dar lugar ao Inverno e pôs tudo a postos para que o Natal fosse passado num ambiente festivo, com luzes e muita neve. Chegado o novo ano, já em Fevereiro os ritmos alegres do Festivale do Pavé chegaram à ilha, assim como muito amor no Dia de S. Valentim. Em Março, chegou-nos a grande atualização do Super Mario, pronta para transformar as nossas ilhas num autêntico Mushroom Kingdom, se assim quisermos. Passou um ano assim e agora repete-se, com novas atualizações sempre a chegar para que os jogadores consigam ter sempre algo de novo para fazer. E é assim a vida no Animal Crossing.

Por fim, resta-me informar – para quem ainda não souber – que para celebrar este primeiro aniversário, todos os jogadores que descarregarem a nova atualização vão receber uma carta do próprio Tom Nook juntamente com um grande bolo de aspeto delicioso! Por isso, estejam atentos às vossas caixas do correio! E daqui a um ano voltamos a fazer um balanço de tudo o que aconteceu na ilha. Esperemos é que fora dela tudo melhore!
QUEM ESCREVEU ESTE ARTIGO?

Um grilo falante que lê livros, vê filmes e coleciona figuras e outras tralhas. Tenho um grande gosto pelos grandes clássicos e pelas animações. Na minha lista de longa-metragens favoritas estão E Tudo o Vento Levou (1939), Cinema Paradiso (1988), Forrest Gump (1994) e La La Land (2016).

Sem comentários:

Enviar um comentário