domingo, 14 de março de 2021

"The Walking Dead" - T.10 Ep. 18 ("Find Me") em análise

Esta análise semanal de The Walking Dead já chega um pouco tarde, em vésperas do lançamento do novo episódio, mas não podia faltar, já que o último capítulo teve uma especial importância no desenvolvimento de Daryl, que é uma das personagens mais acarinhas pelos fãs da série. Teve também o papel de mostrar através de um novo ponto de vista (anteriormente já tínhamos visto um episódio idêntico de Michonne) o que aconteceu logo após o desaparecimento de Rick. É esta a premissa de “Find Me”, o segundo de seis episódios extra, realizado por David Boyd.


Viveram-se tempos desesperados e longas procuras por Rick ou, no mínimo, por pistas que revelassem o seu paradeiro. Daryl, sendo uma das personagens mais próximas de Rick, passou por uma grande revolta e negação de que o seu grande amigo (o seu “irmão”) tinha simplesmente morrido – o que sabemos que não foi o que aconteceu, mas as restantes personagens não o sabem. Então, neste episódio o espectador ganha informações sobre o que realmente aconteceu, através de um flashback de Daryl enquanto este anda a pescar com Carol e à procura de alimentos nas margens do rio. É quando ambos chegam a uma casa abandonada que Daryl começa a recordar-se dos momentos que ali viveu, sem que ninguém disso tivesse conhecimento – nem mesmo o espectador, já que não foi diretamente referido que Daryl tinha vivido completamente isolado durante vários anos. Esta acaba por ser também a história da descoberta do Cão, já que aqui ficamos a conhecer a sua antiga dona.

Enquanto fãs shippavam Daryl com Carol ou com Connie, este viveu uma breve história de amor, que, no entanto, tinha também um sentimento de culpa pelo desaparecimento de Rick. Foi durante esse tempo de procura incessante que Daryl conheceu Leah, uma mulher que perdeu o filho e que vive numa cabana longe de tudo o resto. É uma mulher que sabe perfeitamente safar-se sozinha, o que é mostrado não só pela maneira como vive, mas também através de um momento em que esta pesca um peixe à primeira e sem grande esforço. Leah seria uma personagem muito interessante, mas, a meu ver, a sua apresentação não é feita da melhor maneira, num episódio com uma cronologia um pouco confusa e falta de coerência (especialmene temporal) com o resto da temporada.


Até ao momento, os episódios extra desta décima temporada de The Walking Dead estão a parecer-me apenas filler. Por um lado, é interessante tapar alguns buracos na linha narrativa, mas sinto que a sua composição podia ter dado mais tempo para esta nova personagem se desenvolver. A montagem do episódio, entre passado e presente, revela-se um tanto confusa e acaba por tirar um certo impacto às sequências do passado, nomeadamente ao romance entre Leah e Daryl, que até parece ter sido sério e revela um novo lado de Daryl, que é interessante para os fãs conhecerem.

“Find Me” assume um tom mais poético, mas parece não acrescentar nada à série, para além, talvez, de algum desenvolvimento pessoal a Daryl. No entanto, quando o episódio termina ficamos com algumas dúvidas: será que Leah vai voltar? Leah não é dada como morta, apenas como desaparecida e pode perfeitamente ainda andar algures. E se voltar, qual o impacto que o seu regresso vai ter na história? A determinado momento, poderemos ter um confronto entre Leah e Connie, por exemplo (assumindo que Carol já está fora de hipótese para um romance com Daryl)? Resta-nos esperar para saber se vai haver algum seguimento para este episódio em breve. Entretanto, esta segunda-feira chega-nos um novo capítulo, desta vez centrado no Padre Gabriel e em Aaron, com o nome “One More”.
QUEM ESCREVEU ESTE ARTIGO?

Um grilo falante que lê livros, vê filmes e coleciona figuras e outras tralhas. Tenho um grande gosto pelos grandes clássicos e pelas animações. Na minha lista de longa-metragens favoritas estão E Tudo o Vento Levou (1939), Cinema Paradiso (1988), Forrest Gump (1994) e La La Land (2016).

Sem comentários:

Publicar um comentário