sexta-feira, 21 de maio de 2021

"Um Homem Furioso" em análise

Parece que Guy Ritchie continua em excelente forma com este seu novo filme, Um Homem Furioso, que traz também o seu velho parceiro Jason Statham para mais uma cooperação muito bem vinda entre os dois! Este filme, por acaso, não segue muito a fórmula do realizador, aquela comédia negra com mafiosos ou gangsters pelo meio, como se pôde ver com The Gentlemen em 2019, e segue uma narrativa bastante mais séria e sombria, uma viragem enriquecedora para este filme que poderá muito bem ter uma das melhores interpretações de Statham.


Jason Statham dá uma interpretação sem qualquer piedade, mostrando nenhum tipo de medo ou que nada o impede de seguir o seu caminho em fúria, e todas as suas cenas demonstram isso com perfeito caráter do ator. A sua personagem de início pode não ser logo muito simpatizante, mas ao longo da narrativa entendemos o seu lado e o motivo por andar nesta demanda. Aliás, o filme não só mostra o seu lado, como também mostra como as coisas se desenvolveram, não só para ele mas também daqueles que causaram os estragos, dando assim duas perspetivas diferentes. Apesar de o filme estar principalmente nos ombros de Statham, o resto do elenco também consegue acompanhá-lo, mas não vai com muito avanço.

Por falar em acompanhar, a força colossal de Statham é maioritariamente acompanhada por uma banda sonora inquietante: esta parece quase como um relógio com o tempo cronometrado e pronto para explodir, mas está sempre a ir, e a ir, e a ir, e nunca acaba por explodir, apenas continua a deixar-nos tensos à espera que aconteça o bang, e, quando acontece, é extremamente satisfatório.


A realização de Guy Ritchie, como se pode ter percebido pelo início, está no topo da sua forma. Sabendo utilizar longos takes para aumentar a tensão na audiência, usando o choque dos momentos para deixar a adrenalina no máximo, é uma experiência quase cruel que deixa até os palmos das mãos com suor de ter os punhos fechados. É, assim, também bastante simples na sua execução, mas essa simplicidade faz valorizar ainda mais a ação do que se vê.

Um Homem Furioso é, então, mais uma bem conseguida colaboração entre Ritchie e Statham. É uma história de vingança acompanhada com um tictac enervante – no bom sentido –, com o carisma de Jason Statham a empurrá-la para algo mais, e a direção de Ritchie a torná-lo num thriller demolidor e violento.

8/10
QUEM ESCREVEU ESTE ARTIGO?

Apreciador e colecionador de jogos e, principalmente, filmes desde a minha infância, possivelmente tendo começado o louvor de cinéfilo depois de repetir quinhentas vezes a VHS alugada no Videorama do filme Spider-Man (2002) de Sam Raimi.

Sem comentários:

Enviar um comentário